RSS Feed

Category Archives: A Menina da Mão Verde

A gente precisa sempre rever os conceitos

 Acabei de ver um vídeo indicado pelo Marcelo Tas que, por sua vez, foi comentado por uma amiga no Facebook, essas coisas do mundo virtual em que vivemos e que consomem um tempo enorme da nossa vida, mas também proporcionam momentos muito legais. A grande questão da atualidade não é, com um Hamlet moderno, andar com uma caveira na mão se perguntando:  Estar ou não estar nas redes sociais? Reciclar ou comprar novo? Trabalhar muito e ganhar muito ou trabalhar pouco e ficar à margem do mundo do consumo? O Hamlet dos nossos dias não se contenta mais com uma única pergunta… O grande desafio é saber encontrar o equilíbrio entre mundo virtual e real, consumo consciente e inconsciente, comprar novo ou reciclar, trabalhar sem exagerar. Equilíbrio essa é a chave da questão, a pedra filosofal dos nossos tempos, o Graal do mundo moderno!
Portanto, abro um parênteses na minha rotina de postar dicas e passo a passo de artesanatos com materiais recicláveis para compartilhar esse vídeo. Ele me fez pensar.
Quando comecei achei que o enredo ia pelo caminho básico e maniqueísta da divisão do mundo em mocinhos e bandidos, certo e errado, já prevendo meu orgulho em perceber que eu estava no lado “certo” dessa via. Mas não! Surpreendentemente pra mim, a mensagem final foi “o melhor caminho é mesmo o do meio”.
Assista você também e tire suas conclusões. Elas até podem ser diferentes das minhas, não tem problema. Desde que a gente nunca perca a capacidade de se questionar, de rever posições ou até mesmo de manter posições, mas de maneira consciente e cheia de argumentos, tudo bem!
Aqui o vídeo, que encontrei no blog do Marcelo Tas (http://blogdotas.terra.com.br/).
==================
Juliana Vermelho Martins
Anúncios

Quando o universo dá uma ajudinha…

Minhas resoluções de ano novo nunca duraram muito mais do que as primeiras semanas de janeiro. Por isso desisti de fazer promessas de ano novo há algum tempo. Agora o que tenho são desejos de ano novo. As promessas era eu quem tinha de cumprir. Os desejos eu jogo pro universo e ele que dê um jeito!

Quando fui convidada pra escrever nesse blog pensei: agora vou finalmente organizar e escrever os passo-a-passo para as várias coisas que tenho feito de maneira desordenada! Só que aí o universo decidiu me dar o troco pelos pedidos absurdos que tenho mandado pra ele todo fim de ano e resolveu bagunçar as coisas por aqui! Há um mês estou com meu cafofo desmontado, não tenho nem como chegar perto da minha mesa de trabalho, sem qualquer chance de fazer nada de novo, nem mesmo de fotografar os passos de coisas semiprontas que tenho em casa…

Já meio desesperada por ver o tempo passar sem que pudesse vir aqui dar mais uma dica de artesanato ecológico, abri minha caixa de emails hoje e vi uma piscadela do universo pra mim: o anúncio de um curso de artesanato com materiais reciclados. Não posso fazer o curso, mas posso divulgá-lo!

Então, enquanto não consigo desentulhar meu cafofo pra poder mostrar eu mesma alguns artesanatos com reciclados, vou dando notícias alheias e mostrando coisas interessantes que encontrei pela internet! Obrigada universo!

Aqui vai, então, a primeira dica: Oficina de Artesanato Ecológico e Sustentabilidade, com a artesã Isabelle Pacheco, no Centro Cultural da UERJ, no Rio de Janeiro. Mais informações vocês podem encontrar no blog Vila do Artesão.

Se alguém fizer o curso, depois volta aqui pra contar pra gente como foi! É uma pena que eu não more no Rio de Janeiro. Mesmo sem conhecer essa artesã, eu prestigiaria o curso só pela iniciativa!

Vou voltar pro mundo real e tentar resolver essa situação que colocou meu cafofo de quarentena! Até lá, vou buscar ideias na rede pra todos nós!

Juliana Vermelho Martins

Solução inteira para meia preocupação

ARGHHHHHHHHHH!!!

Tem coisa mais irritante do que meia fina furada? Claro que a chance de isso acontecer é diretamente proporcional à importância do evento ao qual estamos indo e à quantidade de meias sobressalentes que temos em casa, não? Portanto, recomendo que em dias de casamento, formatura, entrega de prêmios, entrevista de emprego comemoração de dia dos namorados tenha-se várias meias na reserva porque senão, no último minuto antes de sair de casa, ou no primeiro depois de chegar ao evento, você vai olhar para as pernas, ver um fio corrido e… nem vou repetir o grito do começo, vocês já me entenderam.

Nas várias vezes em que isso aconteceu comigo fiquei duplamente incomodada! Resolver a questão da meia furada já era complicada, mas para isso os estilistas deram um jeito: a moda simplesmente abandonou as meias finas! Perfeito! Mas minha filha começou a fazer balé e eu me vi às voltas com meu segundo dilema: o que fazer com as meias que furam? Jogar no lixo? Antigamente se faziam bolas de meia, mas a garotada já não curte mais esse tipo de brinquedo, não? Confesso que eu ficava realmente preocupada com mais esse dejeto levando anos pra sumir da face da terra assim como das minhas lembranças e fui guardando as meias que a minha filha rasgava praticamente a cada semana! Sabia que um dia encontraria destino para elas, mesmo furadas.

Aí, no mês passado, procurando na internet uma solução caseira para aquele cheiro horrível que fica nos armários pouco usados encontrei uma dica genial (infelizmente não vou poder dar os créditos porque acabei não salvando o endereço!). Sabem o que fazer para evitar traças dentro dos armários? Sachês com meias velhas! Não, os bichos não morrem com o chulé, mas com o que colocamos dentro dos sachês.

Imediatamente imaginei o presente de Natal da galera aqui de casa pra esse ano! Todos os anos eu procuro fazer alguma coisa de presente, mas isso será assunto para um outro post!

O site sugeria que os sachês fossem preenchidos com serragem de cedro, aparentemente um veneno para as traças, e eu tentei de todos os jeitos achar esse tipo de sobra para meu presente ficar perfeito em todos os sentidos. Mas não consegui! Se alguém souber de lugar onde eu possa encontrar serragem de cedro, por favor, me avise. Como esse tipo de recheio não existe por aqui, decidi fazer os sachês com pimenta-do-reino e cravo-da-índia, duas substâncias que da mesma forma, perturbam o sensível olfato desses bichinhos nojentos.

Aqui vai o passo a passo de como fazer esses sachês, embora ele seja quase dispensável…

 

Você vai precisar de:

                – Meias finas

– Tesoura, linha e agulha

– Fita número zero

– Pimenta-do-reino e cravo-da-índia

  1. Corte as pernas das meias a intervalos de 5cm aproximadamente.
  2. Corte pedaços de fita com 10cm de comprimento.
  3. Faça um alinhavo em uma das extremidades da meia, puxe bem o fio e arremate.
  4. Encha com a pimenta e o cravo misturados.
  5. Dê um nó na outra extremidade fazendo uma trouxinha.
  6. Passe a fita sobre o nó e dê outro nó para terminar a trouxinha.
  7. Faça um nó com as pontas da fita para que o sachê possa ser pendurado num cabide, por exemplo.

Simples assim!

Quando imaginei os sachês, pensei ao mesmo tempo numa forma de reaproveitar mais um resíduo doméstico: vidros de conserva! Então, fiz os sachês, coloquei todos dentro de um vidro de conserva, usei uma tesoura de picotar e cortei um círculo em tecido (também restos que ficam dos trabalhos em patchwork que faço), mais um pedaço de fita e aí está o resultado final:

Pronto! Meus presentes de fim de ano já não serão mais uma surpresa… Tudo bem. Acho que irmãs, mãe, sogra, cunhadas, primas, amigas, etc. já não acreditavam mais em Papai Noel mesmo. Pelo menos agora mudei o ARGHHH! das minhas meias desfiadas para um AHHHH! de satisfação.

Até a próxima!

Juliana Vermelho Martins

Lata velha, não. Lata nova!

Tudo começou na cozinha, quando vi que óleo, azeite e vinagre  faziam uma sujeira danada dentro do armário, sujeira essa que eu teria de limpar, e sou a criatura mais preguiçosa que conheço!

Juntando uma boa dose de preguiça, mais grande parte de peso na consciência que eu tinha em jogar fora as latas de farinha láctea e achocolatado que meus filhos consumiam, acrescentando mais umas pitadas de gosto por me enfiar no meio das tintas e pinceis, acabei imaginando objetos ótimos pra preservar as latas e ainda por cima, pra me livrar de ter de limpar o armário! Não é perfeito? O resultado?

Agora essas coisas que deixavam nojentas prateleiras e armários moram em suas respectivas latinhas e não tenho mais esse problema da limpeza! Tenho outro… Dar conta de todas as latas que juntamos, uma vez que nós todos aqui em casa continuamos a consumir coisas em latas! Então, tem latas espalhadas por todos os cantos da casa. Nem preciso dizer que família e amigos também já ganharam latas decoradas de presente…

Pra inaugurar meus artesanatos com reciclados, portanto, nada melhor do que dividir com vocês o que faço com elas, as latas!

O material de base é:

Primer para metais: é uma espécie de tinta, um produto anticorrosivo que vai proteger a lata e evitar que ela oxide e que pode ser comprado em lojas de materiais para artesanato ou em lojas de tintas.

Pincéis.

Trapos, jornais, potinhos vazios para limpar os pinceis.

Verniz acrílico de sua preferência (fosco ou brilhante) que também pode ser adquirido em lojas de materiais para artesanato ou em lojas de tintas.

Além desse material de base, você pode precisar de:

Tinta PVA.

Guardanapos de papel.

Betume: uma espécie de tinta preta.

Papeis de presente.

Cola branca.

Adesivos, fitas, arame, botões, canetas com tinta permanente, etc.

Vou mostrar aqui o passo a passo básico que pode ser resumido nessa foto em que aparece a lata em três estágios:

1 – Lave e seque bem a lata. Em seguida, aplique o Primer em toda ela, por dentro e por fora. Deixe secar.

2 – Aplique duas ou mais camadas de tinta PVA na cor da sua escolha, deixando secar bem entre cada demão.

3 – Agora vem a parte da decoração. No modelo eu usei uma imagem que recortei de um papel para découpage, mas pode ser uma imagem de que você goste, parte de um papel de presente, por exemplo. Papeis para découpage são encontrados em lojas de materiais para artesanato. Para reproduzir o modelo a sequência de passos é a seguinte:

a)      Recorte a imagem e cole-a na lata. Isso pode ser feito com cola branca, ou com o próprio verniz, o que é melhor. Aplique a cola ou verniz no verso da imagem e cole na lata. Deixe secar bem.

b)      Com um trapo de algodão, ou estopa, aplique betume levemente em toda a lata, inclusive sobre a imagem, por dentro e por fora. O trapo ou estopa deve estar quase seco, uma vez que o betume é bastante forte e fica bem escuro. Faça testes num pedaço de jornal antes de começar a trabalhar na lata. É o betume que vai dar o ar envelhecido. Deixe secar.

c)       Aplique verniz em toda a lata, por dentro e por fora. Está pronto!

Como disse, esse é o procedimento básico e muitas outras coisas podem ser feitas depois que a lata está preparada com o primer. Aqui vão algumas ideias:

– Depois de fazer o fundo com primer e tinta PVA, você pode usar palitos ou boleadores para encher a lata de bolinhas, corações, flores feitos também com tinta PVA.

– Você pode encapar a lata inteira com guardanapo de papel. Nesse caso, não é necessário pintar a lata com tinta PVA por fora. Pinte somente a parte de dentro e embaixo. Use o próprio verniz para colar o guardanapo. Não se preocupe se ele enrugar, isso dá um efeito bem interessante na lata. Guardanapos de papel decorados especiais para ser usados com esse fim podem ser encontrados em lojas de materiais para artesanato.

– Use uma furadeira para fazer dois furos na parte superior da lata, depois passe por ali um arame para criar uma alça. Você pode fazer um laço de fita ou de ráfia para decorar.

– Use uma caneta com tinta permanente para acrescentar detalhes como, por exemplo, uma linha tracejada que imite costura.

– Cole botões, contas, fitas, tudo o que sua imaginação mandar…

Depois que você começar, vai ver que mil ideias vão surgir! E veja que podem ser usadas latas de todos os tamanhos, até mesmo as pequenas!

Até a próxima!

Juliana Vermelho Martins

===

Se você tiver ideias de produtos artesanais feitos com materiais reciclados envie pra gente (juliana.vermelho@gmail.com). Sua ideia pode ser selecionada para fazer parte dessa coluna!

*A menina da mão verde*

Quando era criança li um livro chamado *O menino do dedo verde*, história de um garoto que fazia nascer flores onde quer que encostasse a mão. Eu invejava esse menino porque minhas competências em jardinagem beiram o ridículo. Mas não quis me deixar abater e, de uns anos pra cá, decidi que o verde entraria na minha vida na marra. Preocupada com a quantidade absurda de lixo que se acumula no mundo, comecei a fabricar coisas com materiais que normalmente iriam para o aterro sanitário mais próximo.

Já perdi a conta de quanta coisa andei recolhendo por ruas e calçadas, além de pedir, na maior cara dura, materiais que lojas normalmente jogariam fora e que acabaram indo parar na minha casa, já sem muito espaço pra novos dejetos, preciso confessar. Além de recolher eu mesma, de uns tempos para cá comecei também a *ganhar de presente* de quem me conhece um monte de, como dizer, *lixo *que as pessoas julgam que me iInteressaria.

Com ele criei objetos no melhor estilo *Lavoisier moderno*: no mundo artesanal, materiais quase não se compram, rejeitos industriais se transformam. Minha casa tem em cada cômodo pelo menos um objeto desse tipo e família e amigos já cansaram de ganhar presentes confeccionados dessa maneira, digamos, *verde*.

Agora tive a grande honra de ser convidada pelo vitrineverde a dividir com o mundo técnicas e dicas para transformar aquilo que normalmente pararia no lixo em objetos às vezes úteis, às vezes inúteis, mas sempre preocupados com a sujeira que se acumula, já não tão pelos cantos, no mundo.

Uma vez por mês passarei por aqui para mostrar como, com alguns golpes de tinta, linha, tesoura ou outra ferramenta qualquer, usar algum material normalmente destinado ao lixo para criar uma coisa nova.

Meus dedos podem não fazer nascer flores por onde passam, mas pelo menos uso minhas mãos para livrar um pouco a terra do lixo que a mataria. Assim as flores terão espaço e saúde para crescer livremente!

Até a próxima!

==================
Juliana Vermelho Martins
http://www.julianavermelhomartins.blogspot.com
http://www.endpoverty2015.org

%d bloggers like this: