RSS Feed

Category Archives: Para ler, pensar, ou se divertir

Copenhagen – cidade das bicicletas

Muitas vezes me questiono sobre as Redes Sociais, sua utilidade, as vezes futilidade, que ocupa cada vez mais o tempo escasso das pessoas. Mas quando fico sabendo de coisas bacanas que são divulgadas por este canal e que provavelmente ninguém ficaria sabendo se algum jornalista de renome de veículo importante de impressa não desejasse falar sobre assunto, fico feliz por existirem as Redes Sociais.

Todo este discurso inicial floi porque hoje abri uma matéria que foi divulgada no Facebook, escrita no blog Cidade para Pessoas  (vale a pena conhecer) sobre Copenhagen e pretendo além de divulgar aqui no blog, compartilhar em todas as redes sociais para tentar atingir o maior número de pessoas e quem sabe começar um movimento parecido aqui no Brasil.

A jornalista Natália Garcia é a responsável pela matéria que conta como os cidadãos da capital dinamarquesa  protestaram e exigiram dos governos melhores condições para a circulação de bicicletas pela cidade e hoje são referência mundial quando o assunto é bicicleta como meio de transporte.

Olha como é mais calmo o trânsito de uma cidade onde 55% das pessoas vão para o trabalho diariamente de bicicleta.

Assita ao vídeo que ela produziu, leia a matéria na íntegra no blog e entre você também nesta campanha! Temos que exigir das autoridades aqui no Brasil mais investimento em ciclovias.

Abraços

Carol Vermelho

Anúncios

Evento Bacana – agende-se!

Tripé - Sustentabilidade

Descobri hoje sobre este encontro que acontecerá aqui em Curitiba e resolvi divulgar. Afinal, para conseguir concretizar alguma ação, é preciso se informar antes!

Encontro Internacional de Educação e Sustentabilidade, será realizado pelos Instituto Superior de Administração e Economia (ISAE/FGV) e Conselho Latino-Americano de Escolas de Administração (CLADEA),  em Curitiba, nos dias 13 e 14 de setembro.

O evento reunirá instituições de ensino de diversos países para trocar experiências e boas práticas sobre seus esforços na formação de profissionais e pessoas engajadas com a sustentabilidade do planeta, capazes de liderar as transformações necessárias tanto na economia quanto na sociedade.

O Encontro é realizado em parceria com os Princípios Para Educação Empresarial Responsável da ONU (PRME), que desde 2007 norteiam a gestão de Escolas de Negócio que buscam oferecer uma educação executiva engajada com os valores da sustentabilidade.

E o melhor de tudo é gratuíto! Vale a pena participar, as vagas são limitadas.

Dúvidas e informações: eventos@isaebrasil.com.br ou (41) 3388-7817

Abraços

 

Carol Vermelho

Mensagem

Achei esta mensagem hoje na internet e tem tudo haver com o que pregamos aqui no vitrine verde! Para ler e pensar!

Até

Carol Vermelho

DINAMICA e Beyond Skin

Até que enfim inventaram alguma coisa decente pra se fazer com garrafa pet descartada!!

Que é necessário é óbvio! Que é uma grande preocupação também é óbvio! Mas transformar garrafa pet usada em artesanato cafona ou decoração de Natal de cidade do interior, não são lá bons uso pra esse material. Diria que é um abuso!

A empresa italiana Miko cria tecidos a partir de materiais reciclados. E dentre eles criou o DINAMICA, uma espécie de camurça falsa, produzida a partir de garrafas pet recicladas.

Essa sim é uma idéia genial!! A produção do DINAMICA não utiliza solventes químicos, emite muitíssimo menos gás carbônico que a produção de produtos similares e o mais importante: retira toneladas e toneladas de garrafas pet do meio ambiente!! Em resumo, finalmente uma solução inteligente para um problema tão grave!

Uma, não, duas! Sim, porque camurça é couro e couro vem de pobres bichos abatidos para esse fim e eu não gosto disso. Crueldade também deve ser combatida, junto com a poluição.

O DINAMICA é hoje utilizado principalmente pela grife inglesa Beyond Skin que produz sapatos veganos feitos à mão e que tem como embaixadora da causa a atriz Natalie Portman.

Natalie Portman.

Mas  aí vem o porém: os sapatos são horríveis!! Feíssimos! Cafonérrimos!! Claro que o problema é design e só isso. Na verdade um grande problema eu diria, porque euzinha não usaria um sapato daqueles nem se fossem a última salvação da humanidade! Altruísmo tem limites!

Sapatilhas Beyond Skin.

 

Mas fora o mau gosto dos estilistas da grife, o conceito é simplesmente perfeito! Sapatos não poluentes e feitos a partir de materiais reciclados. Não consigo mensurar quantos benefícios um reles sapato feio da Beyond Skin pode trazer para o nosso planetinha mal tratado.

Só precisava mesmo que algum estilista muito elegante, muito fashion e muito chique abraçasse a causa estética da Beyond Skin e desenhasse uma coleção bonita pra grife. Aí sim o selinho “We deliver worldwide” do site seria irresistível!

Carol Toson

O que esperar do futuro?

Esta semana li uma notícia que me deixou bastante animada.  Um menina americana, chamada Olívia Bouler, levantou U$200 mil para ajudar na recuperação do Golfo do México, após o vazamento de pretóleo na região, considerado um dos maiores desastres ambientais da atualidade.

Comovida com a situação dos pássaros da região, que estavam sofrendo em função da poluição, ela se ofereceu para a ONG de preservação ambiental Audubon Society perguntando se podia ajudar. “Como todos vocês sabem, o vazamento de petróleo no Golfo é devastador”, escreveu ela. “Eu sou uma boa desenhista e estava pensando se conseguiria vender algumas pinturas de pássaros e doar o lucro para a sua organização.”

E foi assim que esta criança de apenas 11 anos de idade levantou uma boa quantidade de dinheiro para ajudar a salvar o seu planeta.

Quando li esta notícia percebi que as crianças estão anos-luz na nossa frete no quesito preocupação ambiental. Se pensarmos que em poucos tempo estas crianças serão os adultos que tomarão as decisões quanto ao consumo, ao desmatamento, a situação dos lixos, comandando países e cidades ao redor do mundo, então temos uma grande chance de reverter parte dos danos que já causamos ao nosso planeta.

Tenho duas pequenas sementinhas em casa, que pretendo também ensinar a importância da conservação. Se cada um fizer um pouquinho e der exemplo aos filhos, acredito que teremos um futuro menos assutador.

Leia a notícia na integra e se inspire também.

Carol Vermelho

A Felicidade está AQUI e AGORA!

Começamos a semana dividindo com vocês mais um texto do Vitor Caruso Jr. Aproveitem!

Carol Vermelho

 

Realmente compreendo que algumas pessoas podem relacionar felicidade ao consumo. Compreendo também que algumas pessoas acreditem nela como um prêmio. É até possível vê-la como moda, embora de início já saibamos que não é tão passageira.

Vamos ver isto com olhos um pouco mais atentos. Como guia para este olhar, reflito sobre um pensamento de Sua Santidade, o Dalai Lama, quando perguntado o que era mais importante: Amigos, Dinheiro, Família ou Tranquilidade Mental. 
Ele responde que se tivermos Amigos, sem Tranquilidade Mental, fatalmente teremos poucos amigos, e talvez vamos atrapalhar a vida destes poucos. Se tivermos Dinheiro, mas sem a Tranquilidade Mental, não saberemos desfrutar deste Dinheiro. Se tivermos uma excelente família, mas não estamos com ela em Tranquilidade Mental, seremos um fator perturbador aos nossos familiares. Acho que aqui temos uma dica importante sobre onde podemos encontrar Felicidade.

Pergunto a muitos de meus alunos e amigos, qual foi o momento mais feliz de sua vida. A maior parte das mães e pais costumam responder algo relacionado ao nascimento de seus filhos. Mesmo aqueles que relacionam a felicidade a uma grande conquista, rapidamente, ao refletir de maneira mais profunda, identifica a efemeridade de nossas conquistas.

Certa vez, trabalhei como voluntário em um asilo com muitos idosos, e uma senhora muito falante sempre vinha conversar comigo, e contar piadas. Tinha muita alegria e felicidade, e nenhum aparente motivo para estar lá, poderia viver bem sozinha sem precisar de cuidados extras. O motivo de sua internação no asilo, era para estar ao lado do marido, ele sim precisava de cuidados, pois já tinha perdido muito da capacidade de visão. E a maior alegria desta senhora, era passar as tardes lendo para seu marido. Ela dizia que naquele momento da vida sua alegria era poder retribuir o tanto que tinha aprendido com seu marido, homem culto e letrado. E que perdera a capacidade de ver e ler.

Conheci e aprendi muito este ano com Irmão Antônio (Phap Nhan), monge da Ordem do Inter-Ser de Thich Nhat Hanh. Certo dia presenciei uma provocação que ele recebeu, sobre o fato dos monges não fazerem nada para ajudar o mundo, a não ser ficarem rezando e meditando. Ele serenamente respondeu que não sabia se estava fazendo o certo, mas que ele não tinha carro, não tinha computador, e além da roupa do corpo, tinha apenas mais duas roupas monásticas. E concluiu: Não sei se estou ajudando, mas se o resto das pessoas fizesse como eu, não teríamos o aquecimento e a devastação do planeta que temos hoje. Pensando deste jeito, acho que estou ajudando. E termina a frase com um sorriso feliz.

Assim, o que temos em comum entre o raciocínio do Dalai Lama, o que averiguo ao perguntar aos pais, a resposta do Irmão Antônio e também o que associo à história desta senhora que conheci. 
Em todos os casos as pessoas estão atentamente direcionadas em auxiliar ao próximo. 
Porém não é apenas auxiliar ao próximo, pois se não estamos atentos, serenamente atentos em ajudar, podemos gerar gestos de carinho indesejados, como uma tia que aperta as bochechas do sobrinho, que claramente mostra sua aversão a isto. 

Minha dica: Se você quiser ser feliz, auxilie aos outros, e cultive sua tranquilidade o máximo que conseguir. Quando vivencio momentos difíceis, aprendi a desfrutar a plena atenção na respiração, desta forma me tranquilizo, e percebo como posso agir de forma mais benéfica. Assim, AQUI e AGORA, respirando me percebo, e FELIZMENTE posso tomar o gesto mais suave e possível deste instante. Assim me sinto FELIZ! Parece que não falha!

Vitor Caruso Jr.

Coerência na Vida Cotidiana

Hoje começaremos a compartilhar com vocês os ensinamentos no nosso querido amigo Vitor Caruso Jr. O texto que selecionamos para esta abertura do trabalho do Vitor aqui no blog é antigo, ele escreveu em 2005, mas muito atual. Tenho certeza que vão aproveitar!

Abraços

Carol Vermelho

 

Tenho em frente a minha a mesa no escritório um quadro de Gandhi, com a seguinte frase:

“Felicidade é quando o quer você pensa, o que você diz e o que você faz estão em harmonia.”

Esta busca por coerência foi o que me fez colocar este quadro a minha frente, mantendo presente algo que sempre busquei, mas confesso, nunca tive pleno sucesso.

Quantas vezes, na minha vida profissional, não preparei demissões, ou decisões, para serem anunciadas na sexta-feira no final de tarde, e na segunda-feira seguinte começava a semana com o discurso: “O importante são as pessoas, pois sem ela, as empresas são apenas mesas e cadeiras…”

Vocês já viram um pai dizer ao seu filho: “Não minta, isto é muito feio”? E depois dizer: “se o telefone for para mim, diga que não estou”.

Uma vez, minha querida amiga, a Profa. Lia Diskin, mostrou-me como somos avessos a emoções negativas como ódio e vingança, mas continuamos a replicar tais emoções ao ensinar nossas crianças a revidar uma pancada no canto da mesa.

Alguém alguma vez já gritou: NÃO GRITE COMIGO!?

Quanta incoerência entre meu pensar e meus gestos!

Achei bonito, outro dia, ao ler o editorial da Vida Simples, quando foi colocado como a revista prega o bem-estar e a simplicidade, e muitas vezes o pessoal que trabalha na revista está longe do ideal por ela mesma colocado. O fato de perceber-se desta forma é um importante passo no caminho de se alcançar esta coerência.

Rir de si mesmo, e desculpar-se, talvez sejam as ações seguintes nesta busca de evolução.

Estive mais de 15 dias com Sua Santidade, o Dalai Lama, nestes meses de junho, e julho (seu mês de aniversário), e ele estava sempre rindo, ria quando bocejava de cansaço, ria quando encontrava um velho monge amigo, ria dos guardas de sua segurança. Em entrevistas, ri do fato de ser monge, e não conhecer mulheres, ri de seu cachorro, ri do seu gosto por relógios, ri dos chapéus usados nas cerimônias, e assim segue… Centenas de pessoas, esperavam o dia inteiro, para ver ele passar, e distribuir seu sorriso. Você é capaz de rir de suas manias, de suas dificuldades, de si próprio?

Não sou perfeito, assim como muitos de nós, e cometo vários pecados como por exemplo o da impaciência, ou rispidez, por exemplo. O que realmente é uma grande incoerência com uma pessoa que acredita em ideais de paz e não-violência. Porém, veja só, ao perceber isto, e ter a humildade de dizer: Desculpe-me! Errei! A coerência pode começar a ser restabelecida. Estar atento aos próprios enganos, praticando a plena atenção aos nossos gestos é um ideal a ser buscado, e quando este falhar. Desculpe-se. E caso você não concorde com o que está escrito acima. Desculpe-me!

Vitor Caruso Jr

%d bloggers like this: