RSS Feed

Tag Archives: ecologia

Educação para consumo sustentável em casa itinerante

Há alguns dias atrás conheci o projeto  “Uma Casa, Mil Olhares” pelo blog SSE# e fiquei encantada com a iniciativa. A exposição mostra o estilo de vida da família brasileira entre as décadas de 50 e 90 comparado ao consumo familiar atual. A exposição faz parte do programa  “Uma Vida Sustentável”, criado pela Kraft Foods Brasil, em parceria com a Evoluir – Educação e Sustentabilidade e o Instituto Akatu.

Pensei na época que gostaria muito de levar minhas filhas para esta experiência, pois acredito que as crianças de hoje, se bem educadas no quesito vida sustentável, poderão nos ajudar a salvar nosso planeta da distruição que já causamos a ele. Mas a informação que obtive é que o projeto só estava sendo realizado em shoppings da região de São Paulo.

Hoje descobri que o projeto virá para Curitiba no próximo mês entre os dias 06 e 21/08 no Shopping Estação. Fiquei tão feliz com a notícia que resolvi divulgar.

Fernando Monteiro, sócio-diretor da Evoluir, explica que ter um shopping como local da exposição incentiva a reflexão no próprio local de consumo. “O objetivo é mesmo procurar fazer com que as pessoas reflitam sobre seus hábitos de consumo no momento em que eles ocorrem. Mas queremos mostrar que não se trata de radicalizar nem para um lado (consumismo fora de controle) nem para o outro (abstenção total), mas sim refletir sobre qual é a real motivação quando se decide por comprar algum produto”, explica Fernando.

O público-alvo da casa itinerante são principalmente as famílias acompanhadas de crianças entre 5 e 12 anos. “Desejamos através da exposição levar as pessoas a observarem seus hábitos e atitudes, refletir sobre comportamentos alternativos e desenvolver a vontade, o conhecimento e as habilidades necessárias para mudar”, diz.

A casa é dividida em seis ambientes diferentes que abordam temas específicos.
– Sala: consumo de energia em eletro-eletrônicos, relações familiares;
– Quarto: moda, consumo, vestuário, sonhos;
– Cozinha: alimentação, reaproveitamento de alimentos e reciclagem;
– Banheiro: uso racional da água e solidariedade;
– Quintal: relação entre o homem e a natureza, reciclagem;
– Rua: convivência no espaço público.

Fica a dica: Programa legal para fazer com os filhos no final de semana, não acham?

Abraços

Carol Vermelho

Solução inteira para meia preocupação

ARGHHHHHHHHHH!!!

Tem coisa mais irritante do que meia fina furada? Claro que a chance de isso acontecer é diretamente proporcional à importância do evento ao qual estamos indo e à quantidade de meias sobressalentes que temos em casa, não? Portanto, recomendo que em dias de casamento, formatura, entrega de prêmios, entrevista de emprego comemoração de dia dos namorados tenha-se várias meias na reserva porque senão, no último minuto antes de sair de casa, ou no primeiro depois de chegar ao evento, você vai olhar para as pernas, ver um fio corrido e… nem vou repetir o grito do começo, vocês já me entenderam.

Nas várias vezes em que isso aconteceu comigo fiquei duplamente incomodada! Resolver a questão da meia furada já era complicada, mas para isso os estilistas deram um jeito: a moda simplesmente abandonou as meias finas! Perfeito! Mas minha filha começou a fazer balé e eu me vi às voltas com meu segundo dilema: o que fazer com as meias que furam? Jogar no lixo? Antigamente se faziam bolas de meia, mas a garotada já não curte mais esse tipo de brinquedo, não? Confesso que eu ficava realmente preocupada com mais esse dejeto levando anos pra sumir da face da terra assim como das minhas lembranças e fui guardando as meias que a minha filha rasgava praticamente a cada semana! Sabia que um dia encontraria destino para elas, mesmo furadas.

Aí, no mês passado, procurando na internet uma solução caseira para aquele cheiro horrível que fica nos armários pouco usados encontrei uma dica genial (infelizmente não vou poder dar os créditos porque acabei não salvando o endereço!). Sabem o que fazer para evitar traças dentro dos armários? Sachês com meias velhas! Não, os bichos não morrem com o chulé, mas com o que colocamos dentro dos sachês.

Imediatamente imaginei o presente de Natal da galera aqui de casa pra esse ano! Todos os anos eu procuro fazer alguma coisa de presente, mas isso será assunto para um outro post!

O site sugeria que os sachês fossem preenchidos com serragem de cedro, aparentemente um veneno para as traças, e eu tentei de todos os jeitos achar esse tipo de sobra para meu presente ficar perfeito em todos os sentidos. Mas não consegui! Se alguém souber de lugar onde eu possa encontrar serragem de cedro, por favor, me avise. Como esse tipo de recheio não existe por aqui, decidi fazer os sachês com pimenta-do-reino e cravo-da-índia, duas substâncias que da mesma forma, perturbam o sensível olfato desses bichinhos nojentos.

Aqui vai o passo a passo de como fazer esses sachês, embora ele seja quase dispensável…

 

Você vai precisar de:

                – Meias finas

– Tesoura, linha e agulha

– Fita número zero

– Pimenta-do-reino e cravo-da-índia

  1. Corte as pernas das meias a intervalos de 5cm aproximadamente.
  2. Corte pedaços de fita com 10cm de comprimento.
  3. Faça um alinhavo em uma das extremidades da meia, puxe bem o fio e arremate.
  4. Encha com a pimenta e o cravo misturados.
  5. Dê um nó na outra extremidade fazendo uma trouxinha.
  6. Passe a fita sobre o nó e dê outro nó para terminar a trouxinha.
  7. Faça um nó com as pontas da fita para que o sachê possa ser pendurado num cabide, por exemplo.

Simples assim!

Quando imaginei os sachês, pensei ao mesmo tempo numa forma de reaproveitar mais um resíduo doméstico: vidros de conserva! Então, fiz os sachês, coloquei todos dentro de um vidro de conserva, usei uma tesoura de picotar e cortei um círculo em tecido (também restos que ficam dos trabalhos em patchwork que faço), mais um pedaço de fita e aí está o resultado final:

Pronto! Meus presentes de fim de ano já não serão mais uma surpresa… Tudo bem. Acho que irmãs, mãe, sogra, cunhadas, primas, amigas, etc. já não acreditavam mais em Papai Noel mesmo. Pelo menos agora mudei o ARGHHH! das minhas meias desfiadas para um AHHHH! de satisfação.

Até a próxima!

Juliana Vermelho Martins

Ícone da Moda Sustentável

Numa vitrine verde não pode faltar o assunto moda e quando se fala em moda sustentável no Brasil me vem um único nome a cabeça: Chiara Gadaleta.

Chiara é a pessoa que conheço que mais luta para tornar popular a moda ecológica. Foi através do blog dela #SSE (Ser Sustentável com Estilo) que tive uma das primeiras inspirações para abrir a EcoChoice.

Hoje o #SSE virou instituto e a Chiara ajuda a reunir e divulgar as principais iniciativas brasileiras em moda sustentável.

Mas ninguém melhor do que a própria Chiara para contar um pouco sobre o trabalho que ela faz. Assista ao vídeo da entrevista que ela concedeu a Gazeta do Povo no PBC edição de Inverno/11, quando veio prestigiar o desfile da Joyful, e se apaixone você também por esta ideia.

Abraços

Carol Vermelho

Meu Puff Ecológico

Sempre gostei e admirei puffs. Seja onde estão, dão um toque especial de praticidade e estética ao ambiente. Já vi muitos tipos de puffs, desde aqueles com base de madeira, outros de espuma, couro, plástico, etc; todos envoltos com aqueles tecidos coloridos que me fascinam…

O que eu nunca tinha visto antes, eram puffs feitos de papelão. Papelão super resistente que suporta 130 kg, é desmontável e encapado por tecidos lindos! O puff de papelão é da marca “Meu Puff Ecológico”. Suas peças são montadas através de encaixes, não sendo necessário o uso de colas ou pregos. Ele é leve, para levar de um lugar ao outro e o melhor: Dá pra comprar várias capas e trocar quando quiser!

E para as crianças tem o puff personalizável: vêm com lápis de cor para pintar e rabiscar..até eu tenho vontade de fazer minha arte em um deles.

Espero que gostem também!

Carla Schartner

Lixo Novo

Que o lixo é um problema mundial todo mundo já sabe, que podemos reciclar, vidro, plástico, papel e muito mais também. O que a grande maioria não sabe é que tem gente levando este assunto bem  a sério e usando a criatividade transformando o que iria parar em lixões sanitário ou em lugares muito piores (rios, mares…) em lindos e super usáveis produtos para o nosso dia a dia.

Veja o exemplo da artesã Rislene Risse, que mora no interior do Paraná e criou uma carteira compacta feita de sacolinhas plásticas. Isto mesmo, aquela sacolinha de mercado, que parece gremelins em nossa casa, que se multiplicam na velocidade da luz e que hoje é alvo de críticas até dos menos entendidos em ecologia.

Através da técnica do tricô, Rislene trança sacolinhas de várias cores e dá vida a este lindo produto. O interior é feito de retalhos de tecidos que ela recebe em doações.

Rislene não pára por aí, também com sobras de tecidos e com caixinhas de leite tetrapac, ela faz lindas carteiras mágicas, que são super práticas e fininhas, cabe em qualquer bolso ou bolsa.

 Além do trabalho da Rislene, gostaria de destacar também o trabalho que minha irmã faz. A Juliana Vermelho (Ju), que é uma das pessoas que conheço mais preocupadas em fazer a sua parte na manutenção de um mundo mais saudável para viver, e também é dotada de várias habilidades manuais e uma criatividade invejável. Ela transforma latas de leite em pó, latas de molho de tomate entre outras em lindas latas decorativas e que ainda são multi uso. Na casa dela é assim, suporte para a embalagem de óleo é de lata reciclada, pote de temperos também, presentes sempre embalados em itens reciclados ou recicláveis.

Quando conversamos sobre este assunto em casa, minha mãe conta como uma lata era considerada artigo de luxo na infância dela. Era usada e reutilizada várias vezes, para guardar alimentos, para fazer outros utencílios de cozinha, para transformar em um brinquedo para as crianças. Nada era desperdiçado. Hoje o que vemos na grande maioria das casas é que tudo é descartável, os lixos transbordam itens que poderíamos facilmente reaproveitar em outro uso, assim como faz a Rislene e a minha irmã.

 

Convido  todos a olhar com outros olhos para o seu lixo pensando se aquilo que está descartando não pode ser reutilizado e assim evitar a compras de um outro itens que fatalmente írá ter o mesmo destino: o lixo.

Mas se você não é destas pessoas criativas e não consegue ver o que há por trás de uma caixa de leite, faça a sua parte separando o lixo reciclável, disponibilizando seu lixo para cooperativas ou também a dando preferência na compra de produtos que tenham sido feitos com criatividade e um olhar no futuro do nosso planeta.

Bjs

Carol Vermelho

 

Encontre os produtos Carteira Mágica e Latinha em: Ecochoice

%d bloggers like this: